A especialidade neurologia do comportamento tem como foco o estudo de aspectos clínicos e patológicos dos processos neurais associados com a atividade mental, esta agrupada em funções cognitivas, estados emocionais, e comportamento social. Historicamente, a principal ênfase da neurologia do comportamento tem sido caracterizar a fenomenologia e fisiopatologia dos transtornos intelectuais em relação a disfunções cerebrais, diagnósticos clínicos, e tratamento. Avanços em neurociência cognitiva proporcionados por técnicas de imagem funcional, métodos eletrofisiológicos, e neuropsicologia cognitiva experimental têm alimentado o progresso e crescimento da neurologia do comportamento como uma especialidade neurológica. Aplicando descobertas em pesquisas da neurociência básica, a neurologia do comportamento está expandindo nosso conhecimento das bases neurobiológicas da cognição, emoção e comportamento social. Embora a neurologia do comportamento e neuropsiquiatria compartilhem algumas áreas de interesses comuns, os dois campos diferem em seus escopos e abordagens fundamentais, o que reflete diferenças entre a neurologia e psiquiatria.

A especialidade clínica neurologia do comportamento requer uma combinação de conhecimento e habilidades que vão além da formação de um neurologista geral, incluindo expertise em: 1) neuroanatomia comportamental funcional, correlacionando achados clínicos com marcadores estruturais e funcionais cerebrais providos por neuroimagem e métodos eletrofisiológicos, 2) administrar e interpretar exames de estado mental, incluindo a investigação neuropsicológica e neuropsiquiátrica, e 3) as bases neuroquímicas e do manejo farmacológico dos distúrbios cognitivos, emocionais e comportamentais. Como suplemento a essas áreas centrais do conhecimento em neurologia do comportamento, ainda é requerido domínio nas áreas da epidemiologia, história natural, contexto do neurodesenvolvimento (transtornos da infância com repercussão no adulto/idoso), genética molecular, fisiopatologia, manejo clínico compreensivo, e prognóstico que pertencem ao amplo espectro das síndromes neurocomportamentais e transtornos específicos. 

O ambulatório desenvolve um programa de fellowship em neurologia do comportamento, com seleção de 1 candidato ao ano.

Pré-requisitos: formação médica, com especialização reconhecida pelo Ministério da Educação (neurologia, psiquiatria, geriatria); carta de apresentação do serviço de origem.

Seleção: currículo e entrevista.

Programa de formação em neurologia do comportamento

Contato através do e-mail:

neurologiadocomportamentoscbh@gmail.com